segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Vamos Reconhecer e Conquistar


Sempre que chega um final de ano, é o momento certo para investir 10 minutos do seu tempo para se fazer um balanço do ano que está a terminar.
A melhor forma que conheço é colocar questões a si mesmo como:
  • O que e quem mais/menos me marcou este ultimo ano?
  • Qual o nível atingido dos meus objectivos propostos para este ano? (de 0 a 10)
  • Qual foi a minha maior desilusão/orgulho deste ano?
  • Com quem mais me identifico das pessoas com quem convivi ou conheci este ano?
  • Senti-me útil este ano? De que forma?
  • O que/quem mais me fez rir este ano?
Com as resposta obtidas devo decidir o que quero dispensar e o que desejo manter.
Com o que quero dispensar, que lições retiro daí?
Com o que quero manter, que soluções seriam possíveis para melhorar o meu desempenho?
Que mais gostaria de atingir ou fazer de diferente este novo ano?

Garantidamente, com as suas respostas, acabou de definir os pontos fulcrais para este novo ano. Agora só falta criar uma estratégia, colocando datas e submetas em cada um dos pontos. De forma que desenhe cada passo que deverá dar para concretizar essas metas.
É extremamente importante contabilizar com algumas possíveis "derrapagens" e também qual o prémio que vai atribuir a si mesmo pela conquista.

Desta forma, em vez de desejar um Excelente ano de 2013, vou antes desejar-lhe que tenha e mantenha força anímica, a mente limpa (qb), vontade em querer fazer diferente sendo a diferença, resiliência nos momentos mais complicados e esforçar-se a ver o lado positivo de tudo que lhe possa acontecer.

É verdade, sem nunca se esquecer de DIVERTIR-SE, por mais complicado que lhe pareçam as situações, pois desse modo vai ser uma ajuda enorme em manter o seu espírito forte e corajoso.

Ok tá bem .... Um EXCELENTE Ano 2013.
Paulo Renato

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Seguir seus sonhos


Por mais incrível que possa parecer, querer atingir seus sonhos pode significar ter de deixar de ouvir muitas das coisas que lhe dizem (embora porem, esta semana fui questionado se ainda se poderia sonhar).
Não porque alguém lhe queira o mal, mas maioritariamente porque esse alguém lhe quer o bem. 

Todas as pessoas tem uma forma de pensar diferente - resultado de toda vivência e conhecimentos adquiridos até ao momento - consequentemente de interpretar os seus desejos e os dos outros, igualmente diferente.

Por vezes o medo de permitir que uma pessoa de quem se gosta ou ama, falhe - porque ela própria já falhou no seu passado - interrompe uma sequência de pensamentos (seguidos de acções)  pró-activos que poderiam desencadear uma revolução naquela área de actividade.

Tudo aquilo que poderia ter um resultado de sucesso, passou a ter uma conexão de fracasso - meramente pela opinião de uma outra pessoa que até lhe quer bem -  sem antes tentar e esforçar.

Isto porque alguém pensou/interpretou que o seu sonho era absurdo ou fora desta galáxia (lol - bem vindo ao club).
Se Thomas Edison não persistisse na sua ideia, a humanidade estaria até hoje vivendo no escuro.
Bill Gates abandonou a faculdade para fundar a Microsoft. Se ele tivesse seguido o que lhe disseram, seria apenas um medíocre advogado e a humanidade não estaria vivendo a era da informação. Talvez a informática não fosse tão popularizada e estaríamos ainda no tempo do papel.
Quando Albert Einstein estava no ensino médio, foi reprovado em álgebra  Se tivesse dado ouvidos às pessoas, seria considerado incapaz e a humanidade perderia um grande génio.

Estes são apenas alguns poucos exemplos que fundamentam que às vezes é melhor pensar, ouvir, olhar e sentir as suas próprias razões dos seus sonhos, alimentando o desejo de concretizar e tornar realidade.

Seguir conselhos? Só de pessoas que possam ter uma ambição tão grande como a sua ou que reúnam características fundamentais, em que essa aliança se torne um apogeu.

Por isso deixo-lhe um conselho - LOL - siga o seu coração, siga o seu sonho. Junte toda a sua energia, com o desejo de obtenção e passe ao ataque (acção).

Quando o desejo de realização de um sonho é a força impulsionadora de um individuo, nada o deve fazer parar. Seja resiliente e emerja pelo lado que possa parecer mais relutante aos outros.
Vai ver que não tem concorrentes à altura.

Na matemática diz-se que o menos pode ser mais. Seja esse mais.

Lembre-se: Somos o que pensamos e tornamos-nos no que fazemos!
PR

domingo, 23 de dezembro de 2012

O custo de endividar-se


Estamos numa época que é normal as pessoas gastarem desmedidamente - época natalícia.
As compras nesta altura, torna-se um hábito como se fossem obrigados a fazê-lo, transformando-se em diversão. 
A correspondência com o seu ego de andarem com varias sacas, demonstrando que tem poder monetário para tal ou a imagem que se pretende transmitir que maioritariamente é falseada pode se tornar o seu mais inimigo durante muitos meses.
O uso incontrolável daquele que aparentemente é o seu meu "amigo" momentâneo, pode configurar-se como a sua  derrota nos meses seguintes - "crédito".
Ser possuidor de dividas, tem duas imagens possíveis:

  • Se estou endividado significa que vou ter que fazer algo mais (do que tenho feito até agora) para obter mais lucros e fazer face aos novos valores contraídos - pensamento pró-activo;
  • Se estou endividado significa que vou ter que cortar em algo daqui para a frente (vida própria), para fazer face aos valores dispensados - pensamento de contenção.
Sentir-se endividado, tira de uma pessoa o seu amor-próprio, tornando-se o objecto de seu próprio desprezo (maioritariamente).  Principalmente quando chega a altura de ter que pagar o que deve, fica indignado com o valor, interrogando-se do valor, passando de imediato a reclama-lo - pois estou a pedir um valor por algo que já consumiu, já gastou ou que já não é novidade - como se costuma dizer: "Obter a troco da nada. Isso não existe."

Assumir o controlo do que gasta ou até onde pode gastar:
Manter o equilíbrio dos seus gastos, vão conduzi-lo continuamente a ter a sua Vida Própria, após qualquer época.


sábado, 22 de dezembro de 2012

Questão de mestre!

Colocaram-me uma pergunta que considero de mestre!
De que forma é que acha que consegue atingir ou marcar diferença numa outra pessoa?

Tal como a pontuação numa frase.
Sempre que consigo colocar um sinal de pontuação nos pensamentos de alguém, estou a conseguir de uma forma ou de outra, fazer parte da vida dessa pessoa, por mais pequena que seja. 
Quando uma pessoa se interroga sobre algo ou de si mesmo, independentemente de ser comportamental ou não; sempre que fica espantado ou coloca um ponto final, em qualquer matéria que sentia estar incompleta, estou a contribuir no retirar, limpar, polir ou até mesmo se deve colocar aquela "pedra" no seu caminho.
Dessa forma despertar-lhe atenção, ficando alerta para algo que deve transformar, assumindo uma tomada de consciência.
Isto é o que faço!

PR - Paulo Renato

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Será duvida, indecisão ou medo



Muito tempo passa entre a estagnação dos pensamentos com a indecisão, duvida e o medo, que conduzem um individuo a não realizar e/ou conquistar aquilo que tanto deseja.
Esse sentimento que ele mesmo não sabe muito bem o que é, nem como aparece sem pedir para entrar ou até mesmo bater à porta, apoderam-se da vontade própria obrigando-o a uma inercia, por vezes inacabável.
Será que é a duvida que leva à indecisão e amplia o medo ou a indecisão que faz ter duvidas colocando-me com medo, ou ainda o medo de algo faz duvidar de mim mesmo e por isso ficar indeciso, ou ainda a duvida do que possam pensar deixa-me com medo e a indecisão apodera-se de mim, ou ainda a indecisão é fruto do medo que faz-me ficar na duvida, ou ainda os meus medos (identificados ou não) fazem-me ficar indeciso e ir à busca de encontrar resposta nas duvidas?
Uma coisa é certa, em qualquer um dos casos a inercia vai ser “my middle name”.
Mas consigo eu, falar com esses Srs. e dizer-lhes para pararem de atormentar e permitirem que faça, arrisque, corra ao meu desejo? O que vou fazer para conseguir tirar estes 3 maiores inimigos da mente humana?
Quando se encontra neste estado, o mais usual é falar a outros sobre as suas ideias e receber o feedback, de forma a corroborar o seu desejo. Embora, aqueles que ao ouvirem as suas visões e sendo pessoas mais decididas, passam de imediato à acção – criando algumas alterações na sua ideia original, constituindo assim uma nova perspectiva e assim uma ideia deles e não sua – e com o que fica você?  Com uma ideia singular e que revolucionou a uma outra pessoa concretiza-la, ampliando-a com um acrescentar de uns “pozitos”.
Então como poderei contornar esta angustia? Furando-a.
É de carácter comum que quando deparamos-nos com algo que nos bloqueia, se deve contornar esse obstáculo, mas neste caso ele encontra-se dentro de si, por isso não contorne, FURE.
Quando esses sentimentos começam apoderar-se da sua mente, é um sinal que chegou o momento certo para avançar. Quanto mais pensa se deve agir ou não, mais as “boxes” da sua mente ficam baralhadas. Comece por definir qual é que seria o 1º passo a tomar (logo a seguir à sua decisão de avançar), e depois o 2º, o 3º e o 4º.
Com isto não estou a dizer, que deite fora um dos princípios fundamentais – escrúpulos – não necessita de calcar ou “cilindrar” outros, apenas siga o seu trajecto  Desde que não infrinja com a liberdade de outros, ou que as suas acções possam se tornar uma lição para os outros, siga a sua vontade.
E quando chegar ao seu 10º passo, vai-se aperceber que o seu sentimento inicial de inquietação que surgia com a ideia de perigo e/ou incertezas reais ou aparentes, já são do passado e não fazem mais sentido. Além de que os novos avanços substituem os fracassos ultrapassados, tal como aquilo que pensou ontem, com aquilo que aprendeu hoje (com a ideia inicial), amanha já vai ser obsoleto.

Vá ao Ataque!