domingo, 17 de julho de 2011

O meu EU

“O sucesso na vida não vem de ter boas cartas, mas de jogar bem com cartas más.”
A coisa mais fácil de se fazer, sempre que falha, é diminuir-se, pondo as culpas nos infortúnios pela falta de habilidade.
A coisa mais fácil de esquecer, principalmente quando o destino não foi bom com consigo mesmo, é que nasceu para o sucesso e não para o fracasso.
Infelizmente, há um número cada vez maior de indivíduos que já se convenceu de que simplesmente não tem nada, seja do que for, que os leve a fazer alguma coisa na vida. Esses indivíduos já estão mortos, espiritualmente, perambulando desnorteados pela vida, sem objectivos, sem propósitos.
Você não pode erguer-se acima do nível de sua visão. Aquela pessoa que pede esmola ou se encontra desempregado, vai continuar no mesmo estado enquanto acreditar que não tem nenhum talento para mais nada.
Imagine a palavra “talento” como sinónimo de “habilidade” e várias sugestões se tornarão evidentes de como tirar o melhor partido de suas habilidades.
A primeira coisa a fazer é um inventário das suas habilidades. Quais os talentos que possuí? Quais os bens pessoais que possui? Quais os seus pontos fortes? Também pode levar em conta, as suas inclinações.
Possivelmente vai descobrir que possui vários talentos e qualquer um deles pode ser desenvolvido em alguma coisa útil e satisfatória. As suas inclinações vão auxiliar a decidir qual os seus bens pessoais que deve desenvolver.
Lembre-se, tudo é uma questão de escolhas. Acredite que tem a escolha de fazer o que pensa ser melhor com as suas habilidades e talentos. Para conversar sobre este contexto, devo falar com um amigo, um banqueiro, um advogado, um outro desempregado, uma pessoa que demonstra que a palavra resiliência não faz parte do seu vocabulário ou um conselheiro vocacional para ajudar?
A escolha e decisão estão sempre do seu lado.
Tire o maior proveito de estar vivo e agradeça as bênçãos com que nasceu.
O resto é só aplicar.

Sem comentários:

Enviar um comentário