quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Desconforto Social

Nos tempos actuais, vê-se cada vez mais pessoas com um desconforto terrível, que os leva à perca de humor e a alterar a maneira como vê o mundo e sente a realidade, como entende as coisas à sua volta, como transmite as sua emoções e o prazer que tira da vida. Acaba por afectar a forma como se alimenta e descansa, e principalmente como se sente em relação a si próprio.
O que significa o desconforto?
Por outras palavras, será que é um remoer constante no estômago que na realidade começa na nossa cabeça?
O desconforto leva-nos a dois caminhos possíveis:
·         A depressão, ou
·         A ter que agir.
Quando se entra na depressão, por norma, perde-se a vontade para tudo e acaba por se enterrar ainda mais no seu próprio nada. Sem entrar tecnicamente e qualificar a depressão, é considerada de foro psíquico.
Perante isto, faz com que por tudo e por nada, lhe cause alterações de estado de espírito.
Por tudo, porque tudo que o rodeia são as causas que o levaram a aquele seu estado.
Por nada, porque na realidade não existe necessidade de nada adjacente ser uma causa ao seu estado actual, a sua inércia é o suficiente.
O dicionário define-nos: “depressão” como sendo: abatimento físico, intelectual ou moral; enfraquecimento; perante a vertente da psicologia é um estado mental caracterizado pela persistência de sintomas como apatia, desanimo, melancolia, cansaço e ansiedade.
Está provado que 30% dos fármacos são ineficazes, nos casos de depressão, como tal, estudos clínicos dizem-nos que uma grande percentagem de casos, sai desse estado, apenas com incentivos do médico e a toma de placebo, que na realidade, não tem acção farmacológica, o que vem provar que a força de vontade é tão ou mais importante que os fármacos no tratamento.
Assim sendo, significa que anda uma grande quantidade de pessoas a despender energia, tempo e dinheiro, em algo que pode depender exclusivamente de si próprio.
Então como se encontra cura para a depressão sem ser por estes meios?
·         AGIR JÁ. (segundo ponto)
Crie, invente, imagine, defina um objectivo. Escreva-o num papel que caiba na sua carteira. Sempre que se sentir novamente com ansiedade e desespero pessoal, tire o seu comprimido da sua carteira e lembre-se das suas razões de viver. O que o faz levantar-se de manhã todos os dias.
Crie metas diárias, para com que no final de cada dia possa festejar consigo mesmo, o esplendor de mais uma vitória conseguida.
Ao ganhar o hábito de agir, vai ganhar o hábito de festejar as suas conquistas, vai por consequência, alterar o seu discurso (externo e interno), e como tal, é de conhecimento geral, os ganhos são um resultado do que se faz.
Faça-mos uma tabela gráfica de forma a melhor contextualizar
                                Desconforto

  Depressão                                           Agir já            
Ansiedade                                                              Metas e objectivos          
Desanimo                                                               Satisfação e realização pessoal
Melancólico                                                           Ganhos/Lucros (dinheiro)        
Cansaço                                                                                        
Enfraquecido
Abatimento físico e intelectual
Fármacos
Tempo
Gastos de Dinheiro
Tire as suas conclusões e decida-se de que lado quer estar.
Paulo Renato

Sem comentários:

Enviar um comentário